Casa do Xadrez de Alpiarça subiu à 1ª Divisão Nacional !!!

casadoxadrezkabab@gmail.com
...............................Coordenadas GPS: Latitude: N39º15'43,4" . Longitude: W8º34'56,7"
Blog optimizado para o navegador (web browser) Mozilla Firefox.

sábado, 30 de maio de 2015

Joaquim Durão




Há menos de dois anos, publiquei aqui este texto:



"Há pessoas que perdemos de vista, às vezes por anos, e que, por um acaso, voltamos a reencontrar. Ontem, voltei a cruzar uma figura que as novas gerações provavelmente desconhecem mas que, décadas atrás, foi um nome destacado do desporto nacional, imensamente popularizado pela televisão. Refiro-me ao xadrezista Joaquim Durão.



Conhecemo-nos em Angola, quando ele foi por lá representar o xadrez português. Encontrámo-nos depois, em outras ocasiões. Curiosamente, seria de novo Angola - ou melhor, uma conversa sobre um artigo que ontem publiquei sobre as relações luso-angolanas - a "juntar-nos".


Joaquim Durão tem hoje 82 anos e uma história notável contada no curto filme (6 minutos) que pode ser visto aqui."
Revelo agora que nos "juntámos" nesse dia 17 de outubro de 2013 numa longa conversa telefónica, por sua iniciativa, a felicitar-me por um artigo que eu tinha escrito num jornal sobre as relações luso-angolanas. Disse-me então coisas muito simpáticas, porque, sem eu saber, seguia a minha vida com alguma atenção. Lembrou-me ter estado no lançamento de um livro meu, uma surpresa muito agradável que eu também não tinha esquecido. Tomei a iniciativa de lhe enviar outro que ele não possuía. Nunca mais falámos.


Joaquim Durão fazia parte das minhas antigas memórias televisivas. Aprendi a "mexer as pedras" com ele no écran. Foi ele quem, com o seu estilo agradável e didático, me fez despertar o gosto pelo xadrez. Possuo uma foto do meu pai a jogar uma "simultânea" com Joaquim Durão, nos claustros do Governo Civil de Vila Real, em que havia conseguido um empate com o mestre, feito de que muito se orgulhava. Em 1984, Joaquim Durão foi a Angola, onde o seu prestígio como xadrezista era imenso. Em alguns dias consecutivos, em jantares em minha casa, nesses tempos poucos fáceis da vida de Luanda, criámos uma relação de forte simpatia, que perduraria para sempre.


Soube que Joaquim Durão morreu, há três dias. Se não fosse uma banalidade, eu diria que perdeu o seu último jogo, numa vida felizmente cheia de grandes vitórias. Mas não sei dizer melhor. Deixo aqui o meu muito sincero pesar à sua família.




Sem comentários: